| 
  • If you are citizen of an European Union member nation, you may not use this service unless you are at least 16 years old.

  • Finally, you can manage your Google Docs, uploads, and email attachments (plus Dropbox and Slack files) in one convenient place. Claim a free account, and in less than 2 minutes, Dokkio (from the makers of PBworks) can automatically organize your content for you.

View
 

Panteão

Page history last edited by PBworks 13 years, 3 months ago

Panteão 

 

        O Panteão, um vasto templo redondo,  é um edifício cujo interior é o mais bem conservado e o mais imponente de todas as construções romanas subsistentes.  Fizeram-se templos redondos muito antes desta época, mas a sua configuração, bem representada pelo Templo da Sibila (imagem 7), é tão diferente que o Panteão não pode ter derivado deles. A razão pela qual o Panteão se tem conservado em tão bom estado deve-se ao facto de o Imperador Romano Phocas ter entregue o edifício aos Papas, em 609 d.C., para ali celebrarem os rituais cristãos.

 

        Esta construção que, actualmente, se encontra na praça Panteão numa posição central entre a Via “del Corso” e a Praça Navona, foi mandada erguer entre 118 e 125, pelo imperador Adriano que, segundo alguns autores, terá participado activamente na sua concepção. Este edifício substitui uma construção menor, dedicada a Júpiter, arquitectada por Marcus Agrippa em 27 a. C. que sofrera um devastador incêndio.

 

        Exteriormente,  a cella é um tambor cilíndrico sem decoração, fechado por uma cúpula suavemente encurvada de 43,5 metros de diâmetro.  O arquitecto parece que teve pouca atenção à sua aparência exterior, pois a sensação que temos de fora é completamente diferente da sensação que temos a partir do seu interior.

 

        À entrada possui um pórtico profundo do tipo corrente nos templos romanos de planta regular. Originalmente este pronaos apresentava um envasamento alto ao qual se subia por largos degraus, mas com a subida do nível das ruas vizinhas este elemento arquitectónico ficou soterrado. Além disso,  este pórtico, com 3 naves e de 24 colunas ao todo (3x8), fora delineado como parte de um átrio rectangular que devia ter o efeito de destacá-lo da rotunda. No entablamento desta fachada, coroada por um amplo frontão, Adriano mandou colocar uma inscrição de Agripa, aproveitada dos restos do edifício anterior.

 

          As dimensões do Panteão, uma novidade para a época (43,5 m de altura) fazem com que este monumento tenha o espaço mais amplo, com a maior cúpula da História até o séc. XIX. Esta contém uma abertura circular (oculus zenital), ao centro, com 9 metros de diâmetro,  que dá passagem a um jorro de luz tão abundante como magnifico, produz também uma sensação de leveza dentro do edifício. Este óculo encontra-se a mais de 40 metros acima do pavimento, e como o diâmetro do recinto tem a mesma dimensão, a cúpula e o tambor, sendo de igual altura, encontram-se em perfeito equilíbrio. No exterior, esse equilíbrio não foi possível, porque para se conter o empuxo da cúpula era necessário fazer uma base consideravelmente mais pesada que o cimo,   para isso concentrou-se o peso da cúpula em oito grossos pilares e espessas paredes  (7 metros, que foram construídas com materiais leves (cimento romano e tijolo) e que vão adelgaçando até chegarem ao topo.)

        Acreditava-se que por a cúpula ser tão alta a chuva evaporar-se-ia antes de chegar ao chão. Tal não é verdade, pois quando chove o chão de mármore fica molhado. Mas um eficaz sistema de drenagem aliado ao facto de o chão ser convexo impede o Panteão de ficar inundado.      

   

        Outra novidade são os nichos que fechados ao fundo,  mas com colunas à frente, dão o efeito de aberturas para outras salas, evitando que nos sintamos presos no interior do Panteão. As colunas,  as paredes de mármore colorido e o pavimento permanecem, na sua essência, tal como eram nos tempos romanos. Os caixotões da cúpula são igualmente os da origem, mas o dourado que os cobria foi desaparecendo ao longo dos tempos.

      

        Como o nome o sugere, o Panteão de Roma fora dedicado a "todos os deuses", ou, mais exactamente, às sete divindades planetárias que justificam os nichos com altares existentes no interior da cella.

 

        Com este edifício, Adriano tornou a sua quimera em algo concreto, construiu um edificio onde cabia todo o mundo. E,  na verdade, o seu traçado geométrico está dotado de propriedades numéricas e simbólicas que o remetem para a abóbada e o movimento celeste.

 

        Este edifício clássico tem, no entanto, uma modesta ascendência. O arquitecto romano Vitruvius descreveu no seu "tratado", mais de um século antes, a estufa de um balneário que antevia já, mas a uma escala bastante menor, os traços mais importantes do Panteão: uma cúpula hemisférica, uma relação proporcional entre a altura e a largura, a abertura circular ao centro (que podia fechar-se com um postigo de bronze, para regular a temperatura da sala).

 

Imagem 1 - Panteão num corte de secção e modelação matemática esferical

 

Imagem 2 - Corte transversal do Panteão

Imagem 3 - Exterior do Panteão

Imagem 4 - Interior do Panteão

Imagem 5 - Cúpula do Panteão, com oculus zenital

 

 

Imagem 6 - Exterior do Panteão visto de cima

Imagem 7 - Templo da Sibila

 

Video: (em inglês)

http://www.youtube.com/watch?v=XTMbWsYYOtE&NR=1

 

 

Bibliografia

Livros :

  • História da Arte - H. W. Janson - Fundação Calouste Gulbenkian - 7ª edição
  • História da Cultura e das Artes - Paulo Simões Nunes - Lisboa Editora - Ensino Secundário 11.º ano

 

Sites:

 

Comments (3)

Anonymous said

at 3:31 pm on Mar 5, 2008

Hello Everybody!

Anonymous said

at 9:03 pm on Mar 8, 2008

stor nao encontrei o que modificar neste trabalho!!

Anonymous said

at 12:45 am on Mar 9, 2008

Óptimo para os seus autores e ....

You don't have permission to comment on this page.